Reportagem: Tea Time Mother Juice no Contagiarte

 

 

MG 0916 Reportagem: Tea Time Mother Juice no Contagiarte

Tea Time Mother Juice é um bom exemplo de que não é preciso ter um disco para se saber dar um concerto. O grupo portuense apresentou-se, ontem, no Contagiarte, numa sala praticamente lotada, com um alinhamento heterogéneo e vontade de mostrar serviço.

MG 0909 Reportagem: Tea Time Mother Juice no Contagiarte

 

Foi com “Wolves” e “Painter of Barcelona” que se iniciou a atuação, confessou-nos Vasco Lé, frontman da banda, após os primeiros aplausos que romperam o clima de curiosidade e escrutínio dos presentes. Estávamos no terceiro tema e a aperceber-nos, com naturalidade, de que tem de sair um single de “There and Back Again”. Em Tea Time não há roadies, nem instrumentos de reserva, pelo que fomos forçados a alguns compassos de espera, preenchidos pelo bom humor de Tiago Nacarato, baixista e, como se viu, um sólido “enchedor de chouriços”, que ajudou a rejeitar alguma apatia nesses períodos. Um dos momentos da noite vai para “Playground”, onde Vasco executou sozinho, apoiado na guitarra e no público cooperante, que tirou eventuais dúvidas quanto à capacidade vocal. Último destaques para “Lion Tooth”, antecedida de uma curta apresentação dos membros e com participação de João Azevedo, Saxofonista. E para o mosh, quase a pedido da banda, no tema que encerrou bem a atuação, “A Tale of Tricksters”.

MG 0941 Reportagem: Tea Time Mother Juice no Contagiarte

 

Não é fácil definir a sonoridade que Tea Time pratica, pelo que o mais seguro será ficar pelo Rock alternativo, mas há Funk para dar e vender nos riffs, uma voz que parece ter nascido de um acasalamento entre o Julian Casablancas e o Lou Reed, uma cumplicidade notável entre os executantes, com destaque para o homem que, com duas baquetas e quatro membros, ajuda a transportar o colectivo para outro nível.

Para aquela que foi apenas a segunda incursão no mundo dos palcos, fica uma nota muito positiva. A prova de que não é mesmo preciso ter um disco para se saber dar um concerto é que, assim que se fizeram desligar os amplicadores, ficamos em pulgas para ouvir o que sairá do estúdio. E continuamos.

 

 

Set-list

  1. Wolves
  2. Painter of Barcelona
  3. There and Back Again
  4. Playground
  5. Dream
  6. Lion Tooth
  7. A Tale of Tricksteirs

Texto: Rafael Corte Real
Fotografia: Miguel Oliveira

Leave A Comment

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers: